Grupo USJ

Grupo USJ investe em tecnologia

Da moenda de engenho aos atuais difusores de extração de caldo de cana, a tecnologia do setor sucroenergético avança de forma crescente e contínua. O antigo cenário da indústria canavieira evoluiu para edifícios de aço, controlados virtualmente e automatizados em sua totalidade. Da mesma cana que se produz, há séculos, o açúcar, o Brasil extrai hoje o etanol e a energia elétrica e se transforma no celeiro das inovações na produção do biocombustível. Nos 66 anos do Grupo USJ, seus colaboradores, clientes e parceiros assistiram a esta revolução e o processo evolutivo continua.

A Usina S. João, localizada em Araras, São Paulo, é a unidade pioneira do grupo. Apesar da concepção industrial tradicional, a unidade paulista tem revolucionado a produção de açúcar com uma variedade de produtos que atende a públicos diversos. A modernização do parque industrial da usina já está sendo implementada e tem previsão de conclusão em 2013. Ao longo dos últimos cinco anos foram investidos nela cerca de trinta milhões de reais, resultando numa produção surpreendente de açúcar.

Grupo USJ em Goiás

A Usina S. Francisco, localizada em Quirinópolis, Goiás, é considerada uma das mais modernas do país com alto grau de automação, eficiência industrial, baixo custo de produção e alta produtividade. Nela o sistema de extração de açúcar da cana é diferente. Ao invés das tradicionais moendas, grandes difusores fazem a extração da sacarose, permitindo maior aproveitamento da cana. “Antes esse processo era feito por moendas, que esmagavam a cana, para tirar o caldo. Hoje, é possível uma extração de 1,5% a 2% a mais de sacarose a partir do difusor, em relação ao processo antigo, o que significa um acréscimo de 6,5 milhões de litros de etanol por safra”, explica o gerente industrial da unidade de Quirinópolis, Hélio Belai.

A Usina Cachoeira Dourada, situada na cidade de mesmo nome, em Goiás, contará com o mesmo “layout” e equipamentos utilizados na Usina São Francisco, o que facilitará no treinamento, reposição de peças e manutenção de equipamentos. A unidade de Cachoeira Dourada iniciará suas atividades com capacidade de produção de 2,25 milhões de toneladas de cana por ano e deve atingir o dobro de sua capacidade nos próximos anos