Grupo USJ

Usina S. João conquista certificação Bonsucro

Garantia de qualidade para o cliente, o selo é também um aval de importância crescente para a exportação

A Usina S. João é a mais nova empresa brasileira a conquistar a certificação internacional Bonsucro (Better Sugarcane Initiative) – primeira norma desenvolvida especificamente para o setor sucroenergético no mundo. O selo garante aos clientes, consumidores e fornecedores da S. João que o açúcar e o etanol fabricados na usina seguem padrões rígidos, cujo foco é a produção sustentável.

“Para o cliente, a Bonsucro é garantia de um produto de boa qualidade, produzido de acordo com rígidos padrões de responsabilidade ambiental e social. Já para a S. João, a certificação reafirma nosso compromisso com a sustentabilidade e reforça nossa competitividade, abrindo caminhos para o mercado internacional”, afirma o diretor executivo Narciso Bertholdi. Reconhecida pela União Europeia, a certificação da Bonsucro garante que as empresas que recebem o selo estão aptas a exportar para os 27 países membros da UE.

Entre as muitas exigências para a conquista da certificação estão a comprovação da eficiência operacional agrícola e industrial, o levantamento da quantidade de gases de efeito estufa emitida pelas atividades da usina e o estudo da fauna e da flora na área de abrangência da S. João. A empresa teve que evidenciar, ainda, o cumprimento da legislação relativa à responsabilidade social e à saúde e segurança no trabalho, e seu empenho na melhoria contínua dos processos.

Uma das mudanças implementadas pela Usina S. João para a conquista do selo está a implantação de um sistema de rastreabilidade, por meio do qual é possível acompanhar toda a cadeia produtiva do açúcar e etanol feitos na usina, da origem até o destino final.

Além da Bonsucro, a Usina S. João já é certificada pelos selos Etanol Verde (desde 2008), Greenergy (desde 2009) e ISO 9000 para o açúcar e etanol (em 2011).

A sustentabilidade é uma das diretrizes do Grupo USJ, que foi um dos primeiros a eliminar as queimadas da cana no Brasil. A Usina S. João exibe números elevados de mecanização na colheita (85%). Tudo é integralmente aproveitado, tendo em vista a preservação da natureza e a redução de custos. Além do bagaço, transformado em energia térmica e elétrica, a vinhaça é usada para irrigar e fertilizar o solo, em razão do seu alto teor de potássio, matéria orgânica e água. Outro subproduto utilizado é a torta de filtro, que também substitui os fertilizantes químicos, por ser rica em fósforo. Além disso, parte da água utilizada nos processos industriais é tratada e reaproveitada pela indústria.