Grupo USJ

Comitiva internacional conhece usina referência em Goiás

A Usina S. Francisco, do Grupo USJ, localizada em Quirinópolis (GO), recebeu, na manhã de ontem (02.12), a visita de uma comitiva liderada pelo embaixador do Reino Unido no Brasil, Alan Charlton. Além do embaixador, estiveram presentes à visita os adidos agrícolas da Alemanha, França, Bélgica, Países Baixos e México e Paula Abreu, do Reino Unido. O objetivo da visita foi conhecer a produção sustentável de etanol, energia e açúcar em Goiás.

A delegação internacional foi recebida na Usina S. Francisco pelo presidente do Grupo USJ, Hermínio Ometto Neto, pelo prefeito de Quirinópolis, Gilmar Alves e pelo presidente executivo dos Sindicatos de Fabricação de Açúcar e Etanol de Goiás (Sifaeg/Sifaçúcar), André Luiz Baptista Lins Rocha. Os integrantes da comitiva conheceram os trabalhos da Usina S. Francisco, que funciona desde de 2007, nas áreas agrícola e industrial e todas as tecnologias implantadas na fabricação dos produtos.

O embaixador do Reino Unido no Brasil, Alan Charlton, elogiou as potencialidades de Quirinópolis e afirmou que a comitiva levou uma boa impressão do trabalho realizado na usina. "Fiquei impressionado com a tecnologia de ponta usada na Usina S. Francisco em todo o processo produtivo, desde a colheita da cana até a transformação da matéria-prima em etanol, açúcar e energia elétrica. Já visitei outras usinas, mas estou surpreso com a visão futurista do Grupo e do município", disse Allan.

O presidente do Grupo USJ, Hermínio Ometto Neto, disse que receber a visita do embaixador e de representantes de outros países foi uma responsabilidade muito grande para a Usina S. Francisco, pois a unidade representou todas as unidades sucroenergéticas brasileiras. "Acredito que os visitantes saíram satisfeitos com o que viram, pois o mundo ainda tem uma ideia vaga sobre a tecnologia existente no Brasil".

Para André Luiz Rocha, a visita do embaixador e da comitiva foi uma boa oportunidade para apresentar os avanços do sucroenergético brasileiro e as vantagens da bioenergia e do etanol. Ele afirmou que é importante que as unidades do setor estejam abertas para estas visitas e sejam proativas na troca de experiências.